10 de junho de 2011

Bandeiras Falsas


OperaçãoNorthwoods: Como os EUA Planearam Cometer Ataques de Falsa Bandeira Para Justificar uma Guerra contraCuba

O texto abaixo é um artigo publicado pela ABC News em 2001 de como o governo dos EUA considerou a criação de ataques de falsa bandeiras como o planeamento de actos de terrorismo para matar cidadãos americanos para criar propaganda para justificar guerras para invadir nações indefesas.

Para quem nunca ouviu o termo, ataques de falsa bandeira são ataques clandestinos onde um país comete ou apoia actos de terrorismo contra si próprio, e em seguida culpa outro país ou organização, de forma a justificar uma determinada agenda, como invasões de outros países ou a passagem de leis aumentando o poder do estado.

Coincidência ou não, este artigo foi publicado meses antes do maior ataque de falsa bandeira de todos os tempos, os ataques "terroristas" de 11 de setembro contra as torres gémeas do World Trade Center. Outro ponto que me chamou atenção foi que o artigo foi publicado do dia 1º de maio, uma data importantíssima para os adeptos do ocultismo.

Os métodos descritos na Operação Northwoods não foram os únicos, o que foi único foi a recusa do presidente Kennedy em levar adiante abominável operação. Leia abaixo o artigo:

ABC News
By David Ruppe Nova Iorque, 1º de Maio de 2001
Militares dos EUA queriam provocar guerra com Cuba

No início de 1960, líderes militares do alto escalão dos EUA elaboraram planos para matar pessoas inocentes e cometer actos de terrorismo em cidades dos Estados Unidos para criar apoio público para uma guerra contra Cuba.

Sob o codinome de Operação Northwoods, os planos teriam incluído o possível assassinato de imigrantes cubanos, afundamento de barcos de refugiados
cubanos em alto mar, sequestro de aviões, explosão de um navio dos EUA, e até mesmo orquestrar ataques terroristas violentos em cidades dos EUA.

Os planos foram desenvolvidos como forma de enganar o público americano e a comunidade internacional para apoiar uma guerra para derrubar o então líder novo de Cuba comunista, Fidel Castro.

A Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA até mesmo contemplou causar baixas militares contra o próprio EUA, escrevendo: "Nós podíamos explodir um navio dos EUA na Baía de Guantanamo e culpar Cuba" e "as listas de baixas nos jornais dos EUA iriam causar uma onda de indignação nacional".

Os pormenores dos planos são descritos em Body of Secrets (Doubleday), um novo livro de James Bamford, um repórter investigativo da história da maior agência de espionagem dos Estados Unidos a maior, a Agência de Segurança Nacional. No entanto, os planos da Operação Northwoods não estavam ligados à agência, ele observa.

Os planos tiveram a aprovação por escrito de todos os membros da Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA (Joint Chiefs of Staff) e foram apresentados ao secretário de defesa do presidente Kennedy, Robert McNamara, em Março de 1962. Mas aparentemente, foram rejeitados pela liderança civil e ficaram em segredo até recentemente.

"Esses eram os documentos do Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA. A razão destes documentos terem sido mantidos em segredo por tanto tempo é que o Estado-Maior Conjunto nunca quis liberá-los é porque eles eram tão embaraçosos", disse Bamford.

"O razão de uma democracia é ter líderes respondendo à vontade pública, e aqui é o reverso completo, os militares tentando enganar o povo americano a emtrar em uma guerra que eles queriam, mas que ninguém mais queria."

Rumo à Guerra

Os documentos mostram que a "Junta de Chefes de Estado Maior elaborou e aprovou os planos para o que pode ser o plano mais corrupto jamais criado pelo governo dos EUA", escreve Bamford.

A Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA propôs até mesmo a utilização da possível morte do astronauta John Glenn durante a primeira tentativa de colocar um norte-americano em órbita como um falso pretexto para a guerra com Cuba, como mostram os documentos.

Caso o foguete explodisse e matasse Glenn, escreveram eles, "o objectivo seria fornecer a prova irrevogável ... de que a culpa é dos comunistas de Cuba".

Os planos foram motivados por um desejo intenso entre os chefes militares para depor Fidel Castro, que assumiu o poder em 1959 para se tornar o primeiro dirigente comunista do hemisfério ocidental - a somente 90 milhas da costa dos EUA.

A invasão anterior apoiada pela CIA à Baia dos Porcos, por exilados cubanos, tinha sido um fracasso desastroso, na qual os militares não foram autorizados a prestar auxílio bélico. Os líderes militares agora queriam ter uma nova chance.

"A coisa toda foi muito bizarra", disse Bamford, salientando que seriam necessários o apoio do público e da comunidade internacional para uma invasão, mas aparentemente, nem o público norte-americano, nem o público cubano, queria ver as tropas dos EUA mobilizadas para expulsar Castro.

Refletindo isso, o plano dos EUA pedia que se instituisse controle militar prolongado, e não democrático, sobre a ilha após a invasão.

"Isso é o que seríamos os libertando", disse Bamford. "A única maneira teríamos conseguido ter sucesso seria fazendo exactamente o que os russos estavam fazendo em todo o mundo, impondo um governo pela tirania, basicamente o que nós estávamos acusando o próprio Castro de fazer".

Passando dos Limites

O Estado-Maior Conjunto na época era chefiado pelo general do Exército nomeado pelo presidente Eisenhower, Lyman L. Lemnitzer, que com os planos assinados nas mãos tentou a aprovação de McNamara em 13 de Março de 1962, recomendando a Operação Northwoods para ser executado pelos militares.

Não está claro se os planos da Junta de Chefes de Estado Maior foram rejeitados por McNamara na reunião. Mas três dias depois, o presidente Kennedy conversou com Lemnitzer diretamente, e disse que não havia praticamente nenhuma possibilidade de usar força ostensiva para tomar Cuba, relata Bamford. Dentro de meses, Lemnitzer teria sido negado um outro mandato como presidente da Junta de Chefes de Estado Maior e transferidos para outro cargo.

Os planos secretos vieram em um momento em que havia desconfiança na cúpula militar sobre a sua liderança civil, com os líderes da administração Kennedy sendo vistos como liberais demais, pouco experientes e lenientes com o comunismo. Ao mesmo tempo no entanto, existiam reais preocupações da sociedade norte-americana que seus militares ultrapassassem seus limites.

Houve relatos que líderes militares dos EUA haviam encorajado os seus subordinados a votar pelos conservadores durante a eleição.

E pelo menos dois livros populares foram publicados focando em uma liderança militar de direita empurrando os limites contra a política do governo.

O Comitê de Relações Exteriores do senado americano publicou o seu próprio relatório sobre o extremismo de direita nas forças armadas, advertindo que haviam descoberto um "perigo considerável" na "educação e atividades de propaganda dos militares". A comissão pediu ainda um exame de eventuais vínculos entre Lemnitzer e grupos de direita. Mas o Congresso não chegou a ter conhecimento sobre a Operação Northwoods, disse Bamford.

"Embora ninguém no Congresso pudesse ter conhecido na época", escreve ele, "Lemnitzer e a cúpula militar haviam secretamente passado dos limites."

Mesmo depois Lemnitzer ter deixado o cargo, disse Bamford, a Junta de Chefes de Estado Maior continuou a planear operações de "pretexto" pelo menos até 1963.

Uma ideia era criar uma guerra entre Cuba e outros países latino-americanos para que os Estados Unidos pudessem intervir. Outra ideia seria pagar alguém no governo de Fidel Castro para atacar as forças dos EUA na base naval de Guantánamo. Um ato que, Bamford salienta, teria sido considerado como traição. E outra seria de voar em baixa altitude aeronaves U-2 sobre Cuba, com a intenção de que fossem derrubadas e isso usado como pretexto para iniciar uma guerra.

"Havia uma real preocupação naquele momento de que os militares estivessem ficando loucos, como realmente estavam, mas eles nunca conseguiram alcançar o seu objectivo, mas não foi por falta de tentativas", disse ele.

Depois de 40 anos

Ironicamente, os documentos vieram à luz, disse Bamford, em parte por causa do filme de Oliver Stone de 1992, "JFK", que examinou a possibilidade de uma conspiração por trás do assassinato do presidente Kennedy.

Como o interesse público no assassinato aumentou após o lançamento do filme "JFK", o Congresso americano aprovou uma lei destinada a aumentar o acesso da população aos registos públicos relacionados com o assassinato.

Com medo de uma investigação do Congresso, Lemnitzer tinha ordenado que todos documentos relacionados com a Baía dos Porcos fossem destruídos, disse Bamford. Mas de alguma forma, estes permaneceram.

"O mais assustador é que nada disso é divulgado até 40 anos depois", disse Bamford.


Fontes:
ABC News: U.S. Military Wanted to Provoke War With Cuba
Quadrinhos de Mack White (de onde tirei a ilustração inicial) com a História da Operação Northwoods (em inglês)

1 comentário:

joão l.henrique disse...

Bamford, tem razão.
Assustador é ainda a tentação que os EUA mantêm até hoje em ser os "donos do mundo".