30 de junho de 2013

Mudanca de casa....

Roubar o direito a ser crianca...

Hoje, em todo o mundo, cerca de 215 milhoes de criancas trabalham, em troca de uma mao cheia de nada.

Eles nao vao a escola e tem pouco ou nenhum tempo para brincarem. Muitos nao recebem alimentacao ou cuidados adequados. 

A estas criancas e negado o direito a serem criancas. 

Mais da metade destas criancas estao expostas as piores formas de trabalho infantil, como o trabalho em condicoes perigosas, escravidao, ou outras formas de actividades ilicitas, trabalho forcado, incluindo o trafico de drogas e prostituicao, assim como, o envolvimento em conflitos armados.


Nota: O texto nao tem acentos, nem cedilhas, devido a um problema na publicacao que desconheco

24 de junho de 2013

Apendiz de fascista...

Afinal para o candidato do PS a Setúbal, o problema do Pais é o PCP este é que é um empecilho ao desenvolvimento do Pais…

Pois, é que sem o empecilho do PCP o PS, PSD e CDS não teriam resistência e poderiam vender mais rapidamente o Pais e escravizar os trabalhadores Portugueses…. 

Mas estão com azar, o PCP é enorme… e já resistiu contra muitos fascistas, não é um aprendiz de fascista que vai quebrar a resistência…

Aprendiz de fascista que se candidata a Setúbal pelo PS… 
Cá estaremos para resistir, e para lembrar o povo de como foi da última vez que a Câmara esteve nas mão do PS… 

Falência, sujeira, maus cheiros… algo que será proporcional às suas palavras.

Professores, uma referência contra o medo

Na semana em que se assinalam os dois anos da posse do Governo de coligação PSD-CDS, chefiado por Pedro Passos Coelho, o executivo sofreu uma derrota política com a greve dos professores. O dia 17 de Junho pode vir a ficar na história deste Governo como o dia marcante no que tem sido a investida autofágica ao próprio Estado, que o Governo tem consumado no ataque aos funcionários públicos.

A greve dos professores no dia de exame nacional de Português - na continuação da greve às avaliações, que já estava a ser um sucesso - foi uma importante derrota política de todo o Governo e em especial do primeiro-ministro, que deu cobertura à forma como o ministro da Educação geriu este assunto e o transformou num braço-de-ferro com os sindicatos dos professores e com os professores em geral. A derrota foi tal que os exames previstos para o dia da greve geral já foram antecipados para a véspera.

O primeiro-ministro autorizou e apoiou a forma autoritária e no limite do poder democrático e do Estado de direito como o ministro da Educação procurou forçar os professores a irem vigiar exames. Quebrando todas as noções de bom senso e de tentativa de conciliação social que competem ao poder executivo em democracia, o ministro da Educação insistiu na recusa em adiar o exame para 20 de Junho, como foi sensatamente proposto pelo colégio arbitral a que o próprio ministro recorreu e que se recusou a decretar serviços mínimos. Se o tivesse feito, Nuno Crato tinha de uma penada saído como um governante que sabe dialogar e reconhecer o direito democrático à greve, mas que pôs em primeiro lugar o interesse dos alunos. Seria visto como um vencedor e teria esvaziado a greve dos professores, deixando os sindicatos sem espaço político e social para remarcar a greve para outro dia de exames.

Mas o primeiro-ministro, com o respaldo e o veemente apoio político que deu a Nuno Crato nesta cruzada, decidiu que mais uma vez os professores iam servir de exemplo. E adoptando a arrogância do autoritarismo neoliberal perante o trabalho e prosseguindo a mesma linha ideológica de que tem governado com o intuito de baixar o valor do trabalho, o Governo seguiu em relação à greve dos professores as regras de um manual de thatcherismo de trazer por casa. Convenceu-se que também ele ia "quebrar a espinha" aos sindicatos. Enganou-se.

O que o Governo conseguiu foi lançar a confusão nos exames de Português, que ou não se realizaram ou realizaram em muitos casos atabalhoadamente. Se não, vejamos os dados que resultam de um dia de greve. Segundo o próprio Ministério da Educação, apenas 76% dos 75 mil alunos inscritos a exame conseguiram realizar a provas, ou seja, cerca de 20 mil alunos ficaram sem exame de Português, pelo que o ministério foi obrigado a anunciar logo no mesmo dia que se realiza novo exame dia 2 de Julho.

Mas a imagem da seriedade e do rigor de Estado, que é necessária à execução de exames, ficou comprometida. Mesmo antes do dia, o facto de o ministério convocar para vigiarem exames dez vezes mais professores do que os dez mil que normalmente estariam envolvidos, mostra o desespero e a falta de racionalidade com que o Governo agiu perante o problema. Já em relação ao dia, os dados conhecidos falam por si.

Conclusão: o exercício de autoritarismo protagonizado por Nuno Crato redundou em descrédito da autoridade de Estado e na mácula do currículo dos alunos. A greve teve assim apenas um aspecto positivo - a vitória que ela foi para os professores. E neste sentido, ou seja, num sentido social mais amplo, pode dizer-se que esta greve foi uma mais-valia para a sociedade portuguesa e para a democracia.

Isto porque, se o Governo pensou que ia fazer dos professores um exemplo e que ia "quebrar a espinha" ao movimento sindical, a união dos sindicatos e a união com que todos os professores agiram deu uma lição ao Governo sobre como nem tudo é permitido e como há pessoas que não se deixam intimidar pelo medo. A maioria da classe docente, ao mostrar que não se deixava acobardar pela intimidação do Governo, deu uma lição de dignidade e serviu de exemplo a toda a função pública, a todos os trabalhadores, à sociedade portuguesa e à democracia portuguesa. Os professores estão assim de parabéns, pois voltaram a ser uma referência para a sociedade, uma referência contra o autoritarismo e contra o medo.

P.S. - Na sequência da greve, a JSD fez na Assembleia uma pergunta em estilo fascistóide sobre o dinheiro que os sindicatos recebem do Estado. Será que a JSD vai perguntar a seguir sobre o dinheiro que os partidos recebem? Isto porque presume-se que a Jota saiba que os sindicatos são organizações representativas da população tão centrais nas democracias como os partidos.

Jornalista. Escreve ao sábado sao.jose.almeida@publico.pt

22 de junho de 2013

Reis Novais sobre a "selvajaria" - Jugular

Não deixem de ver este vídeo 

Se não nos unirmos (Professores, Pais, Alunos,...) e não agirmos rapidamente, voltaremos, num ápice, aos tempos antigos - os "hard times", de Charles Dickens!!!

21 de junho de 2013

"Professores em luta pela Escola Pública de qualidade para todos, em luta pela democracia"

Intervenção de Rita Rato na Assembleia de República




Senhor Presidente,
Senhores Deputados,

Depois de no passado sábado a resistência e a determinação dos professores ter inundado a Avenida da Liberdade, os professores portugueses realizaram ontem uma jornada de luta histórica em defesa da Escola Pública de Qualidade.
De norte a sul do país milhares de professores estão a construir uma poderosa luta em defesa da Escola Pública de Democrática.
Por isso mesmo, daqui saudamos com uma imensa confiança a luta de todos e cada um dos professores e professoras que perdendo um dia de salário, se organizaram e mobilizaram juntando forças na defesa da Escola Pública de Qualidade para Todos.
Esta greve de 17 de Junho, travada com uma imensa coragem pelos professores portugueses, foi ainda mais importante porque representou uma sólida expressão da unidade dos professores contra um Governo chantagista, irredutível e intransigente.
É curioso que nunca tenhamos ouvido o Ministro Paulo Portas em conferências de imprensa à hora do almoço de Domingo a anunciar o aumento de 2,6% dos manuais escolares, ou a anunciar o fim do passe escolar para os estudantes dos 4 até aos 23 anos; ou a anunciar o fim de terapias e apoios a alunos com necessidades especiais; ou a fazer um balanço do despedimento de 14.500 professores contratados, que tanta falta fazem à Escola Pública.
É também curioso que o Primeiro-Ministro, que se diz agora tão preocupado com os jovens e as suas famílias, não esteja nada preocupado quando força milhares de jovens a abandonar o seu país e a emigrar para fugir à miséria e à fome.
Não é nada curioso, é até bastante revelador que o Presidente da República conhecido pelos seus silêncios ensurdecedores, nunca tenha tido uma palavra a dizer sobre o drama de milhares de alunos forçados a abandonar os estudos, e sobre a justa luta dos professores tenha vindo contribuir para o clima de pressão e chantagem.
Hipocrisia política.
Sr. Presidente,
Sr. Deputados,

Os 95% de adesão à greve das avaliações, a par dos 90% registados no dia de ontem são reveladores da determinação dos professores, e provam que o Governo apenas permitiu o funcionamento de muitas salas de exame, através da adoção de um conjunto de ilegalidades, irregularidades e arbitrariedades.
Sabe bem o Governo que a luta dos professores não é contra os estudantes, é contra a política da Troika, de destruição da Escola Pública de Qualidade, é pela dignidade e respeito que merece e exige a profissão docente.
Podemos mesmo dizer que esta luta é também em defesa dos estudantes e os seus direitos, é pela defesa do seu futuro numa escola que assegure a formação da cultura integral do individuo, numa escola que assegure sempre qualidade do processo ensino/aprendizagem.
A dita preocupação do Governo sobre as consequências de 1 dia de luta dos professores é desmascarada por 365 dias de imposição de medidas de degradação da qualidade do ensino:
•o aumento do número de alunos por turma;
•a criação de mega-agrupamentos que desumaniza os espaços e aumenta a descoordenação pedagógica;
•a reorganização curricular para despedir milhares de professores;
•a exclusão de alunos com necessidades especiais, cortando e retirando apoios materiais e humanos essenciais.
Sr. Presidente,
Sr. Deputados,

A Escola Pública de Qualidade para Todos é uma das mais importantes conquistas de Abril. A Escola Pública é um dos pilares estruturantes do regime democrático.
Não há democracia sem Escola Pública de qualidade, e a degradação da Escola Pública significa a degradação profunda do próprio regime democrático.

Os professores sabem disto. E por isso mesmo, a sua longa jornada de luta não corresponde a nenhum desígnio corporativo. A luta histórica, travada em 2013 no século XXI, pelos professores é uma luta em defesa da democracia.
A luta dos professores portugueses em defesa dos seus direitos é inseparável da luta pela qualidade da Escola Pública; é inseparável da luta corajosa em defesa do próprio regime democrático.
A luta dos professores não é contra os alunos. É contra a política deste Governo e da Troika, em defesa do emprego com direitos contra o desemprego; em defesa da estabilidade e continuidade pedagógica contra a mobilidade especial.
Sr. Presidente, Sr. Deputados,

Os responsáveis pela instabilidade que se vive hoje nas escolas não são os professores, é o Governo e a sua intransigência de despedimento de milhares de professores e de cumprimento do Pacto da Troika.
Apelamos por isso aos professores em especial, mas a todos os trabalhadores, a todos os homens e mulheres deste país a lutar pela demissão do Governo e pela derrota do Pacto da Troika, em defesa dos valores de Abril e do regime democrático.
Disse.

"REQUALIFICAÇÃO" Docentes - Despacho aprovado em Conselho de Ministros

Despacho já aprovado pelo Governo. Chamo a atenção para o ponto 3 que coloca a TODOS os professores no "olho da rua", transferindo essa decisão para os directores.

Se os professores não perceberem agora, não podem queixar-se no futuro.

Atenção ao "diploma próprio". Poderá ser aqui que entra como 1.ª cláusula o resultado da avaliação externa!


Existem professores que julgam que é lei a ordenação e que só estão em perigo os últimos de cada grupo disciplinar.

Então... ainda não está pronto para a greve? 



Quem tem medo dos professores? (um grito de revolta)

Quem tem medo dos professores?
Por Helena Almeida

 
… pois...
 
Pelos vistos, todos. 
Quando a classe se une; 
quando a inércia se sacode; 
quando a doentia tendência que os professores têm para cumprirem tudo, aceitarem tudo sem um queixume - se transforma na revolta de quem já não aguenta mais; 
quando os professores tomam consciência do poder que detêm - e o exercem, o país treme.
 
Tremem os políticos ao verem escapar-se-lhes debaixo das garras dominadoras a classe que (justificadamente, diga-se...) acreditavam mais submissa, a mais sensível à chantagem emocional. Os direitos dos jovens, pois claro!
Tremem os pais ao verem ameaçados ... basicamente, os seus organizadinhos planos de férias, pois que outra coisa?
 
Hipócritas, uns e outros.
Não os comovem as crianças com fome, a única refeição diária retirada das escolas, a ASAE que há anos se pôs a medir batatas e encerrou ou inviabilizou as boas cantinas escolares, agora reféns da normalizada  fast food de empresas duvidosas.
Não os comovem as escolas fechadas, as crianças deslocadas, as escolas-fábrica em que cada aluno não é sequer um número, o interior do país desertificado, as longas viagens de e para casa, o tempo com a família, inexistente.
Não os comovem os livros deitados fora, que deixaram de servir porque sim: o novo programa de matemática para quê se o outro dava mostras de funcionar, o (des)acordo ortográfico para benefício de quem..
Não os comovem os professores massacrados que lhes aturam os filhos todo o dia, : «Já não sei o que fazer dele, dela..., em casa é a mesma coisa... »
Não os comovem os alunos que querem aprender e não podem, a indisciplina na sala de aula e os professores esgotados, deprimidos, muitas vezes doentes, os professores que desabam a chorar no meio da aula, a tensão, as pulsações que disparam e como é que se pode ensinar assim?
Não os comovem os professores hostilizados publicamente por ministras, escritores, comentadores, opinadores - e já lá vão anos de enxovalhamento!
Não os comovem as políticas aberrantes do ministério da Educação, as constantes alterações aos curricula, aos programas, as disciplinas de uma hora semanal a fingir que existem e os professores que se adaptam aos caprichos todos, formações atrás de formações, obrigatórias todas, pagas do próprio bolso algumas;
Não os comovem as condições de trabalho e de saúde de quem lhes zela pelos filhos, as horas insanas passadas na escola, as tarefas sem sentido e as outras, o tempo e a disposição que depois faltam para tudo o resto que fazem em casa, preparar aulas, orientar trabalhos, corrigir testes, as noites que não dormem e amanhã aguenta-te que não são papéis que tens à frente, mas sim pessoas!
Não os comovem vidas inteiras de andar 'com a casa às costas', 10, 20, 30 anos contratados (dantes chamavam-se 'provisórios'), de Trás-Os-Montes ao Algarve e é se queres ter emprego, SEMPRE assim foi até conseguirem um lugar no quadro de efectivos numa escola - e agora aos 40, 50, à beira de vínculo nenhum! - as regras que mudam, a reforma que se alonja, a carreira de há muito congelada, os sucessivos cortes no salário, os impostos uns atrás dos outros e depois ......
cara alegre que tens a responsabilidade de ensinar, formar, educar os nossos jovens, futuro deste país ou de outro para onde emigrem, será mais certo.

E eu digo, professora que fui, professora que serei sempre e já não vos aturo: VÃO-SE FODER com as vossas preocupações da treta, a vossa chantagem e as vossas ameaças, os vossos apelos aviltantes. E não, não peço desculpa pela linguagem, que outra não há que dê a medida da raiva.

Quem é que vocês, políticos, associações de pais, pensam que são?
Vocês, que destroem tudo o que de bom se tinha conseguido neste país? Que promovem o regresso à miséria, ao cinzentismo, à ignorância? Que se estão borrifando para os alunos e as famílias, a qualidade do ensino nas nossas escolas públicas? Que tiram ao estado para darem aos privados? Que acabam com apoios onde eles eram vitais, aos alunos mais pobres, aos alunos com deficiências? Que despedem psicólogos e professores do ensino especial? Que, em exames, recusaram tempo extra aos alunos que a ele tinham direito? Que não fazem nada para promover a educação, os vossos podres serviços públicos reféns do vosso oportunismo, da vossa falta de valores, do vosso cinismo?
Vocês, que atacam os professores mas lhes confiam os vossos filhos? Que não os educam em casa, mas esperam que eles o façam na escola? Que agora defendem a "mobilidade especial" quando antes defendiam a estabilidade, se queixavam de que as crianças mudavam de professores todos os anos? Que não percebem que um professor maltratado é um profissional menos disponível para os alunos que tem à frente? Que a luta dos professores é a luta pelos vossos filhos, pela qualidade da sua educação, pelas oportunidades do seu futuro?
 
E vocês, opinadores 'de bancada' que continuam a achar que os professores trabalham pouco e ganham muito, por que se queixam agora desta greve (três meses de férias, é?!), quando nunca antes se queixaram das condições miseráveis em que vocês próprios sempre viveram?
Por que não se queixam dos dinheiros mal-gastos destes políticos?
Por que não se queixam de um serviço público de televisão que vos embrutece e vos torna prisioneiros de quem vos engana todos os dias, vos impede de terem pensamento próprio?
Por que não se queixam da razia deste governo sobre os  funcionários públicos, dos serviços que vão funcionar muito pior, das horas de espera que vão aumentar, nos hospitais, nos centros de saúde, nos correios e nas repartições todas, a 'má-cara' de quem, maltratado, vos vai atender com pouca paciência e muito cansaço?
A vocês, que pelos vistos não sabem o que é uma greve, nunca vos vi defenderem os professores do vosso país. Vi-vos aplaudirem uma ministra que vos 'ganhou', 'perdendo-os'. Vi-vos porem-se contra eles, ao lado dos filhos que vocês não souberam nem se preocuparam em educar. Vi-vos irem às escolas apenas para insultarem ou ameaçarem os que nela todos os dias 'dão o litro' para que os vossos filhos sejam melhores que vocês, tenham as condições de vida que vocês não puderam ter.
 
Os professores não estão de férias, como vocês, que tudo julgam saber, gostam de apregoar.
Os Professores estão em greve. Finalmente!
Os Professores levaram anos a aguentar pauladas. Anos e anos a serem, eles, prejudicados.
Agora fazem greve, dizem BASTA!
Vocês, deviam fazer o mesmo, assim a educação que a escola pública vos proporcionou vos tenha garantido sentido crítico, pensamento autónomo e DIGNIDADE.
Helena Almeida

18 de junho de 2013

ELOGIO DA GREVE MANSA

A greve é um direito constitucional
Desde que não seja no meu quintal
E não belisque a conveniência geral

Não afecte a produção das farinhas
Nem ponha em causa a criação de galinhas
Nem traumatize as pobres criancinhas

O melhor seria ouvir os poderes instalados
E fazê-la em dia e hora mais adequados
Para não haver prejudicados

Talvez ao domingo depois do sermão
No feriado da Imaculada Conceição
Ou dia de São Nunca (que é santo pagão)

Nos restantes dias a greve já cansa
Agitando a louca bandeira da esperança
E a melhor das greves é a greve mansa
Carlos Alberto Silva
7 Junho 2013




Greve Geral 27 Junho


Papai, eu sou capitalista...


16 de junho de 2013

Financiamento bancário vs dívida...

Vejam como perante questões tão simples, o (des)governante se engasga!

 E ASSIM CAI A MASCARA DAS NEGOCIATAS DA DIVIDA PUBLICA PORTUGUESA

 Financiamento bancário vs dívida...

 O IGCP é a entidade pública a quem compete, nos termos da lei,
assegurar o financiamento e efectuar a gestão da dívida pública directa do Estado Português.

 
 Reparem nas expressões, e na atrapalhação do senhor.
  No último minuto, tudo é explicado com uma proposta... 

15 de junho de 2013

Agora não quero nada com os Professores…

Quero sim,
com os maridos e mulheres dos Professores,
com os filhos dos Professores,
com todos os Pais,
e com todos os defensores da Escola Pública.

Amanhã existe uma manifestação, temos que estar lá a apoiar o pessoal docente, não docente e todos os meninos.

Como marido, mulher e filho…

Se isto avançar correm o risco de só ver os vossos maridos/mulheres e mães/país ao fim de semana… pois podem ter o vosso querido a ter que percorrer mais de 300 km para dar aulas;

Se isto avançar, o salário do vosso querido pode chegar simplesmente para a manutenção e gasolina do automóvel;

Se isto avançar, pode ter o vosso querido  sujeito a ir para o desemprego (sem subsidio de desemprego);

Se isto avançar, e em virtude de todas as pressões e desilusões, podem ter que passar o resto da vida do vosso querido a tratar dele, das suas depressões e afins…;

Se isto avançar…. a família poderá se tornar, em meros momentos de choro.

Como Pai/mãe…

Se isto avançar, poderemos ter um simples local para despejar os filho… no qual a aprendizagem, o carinho, a compreensão deixarão de existir para passar a termos um sítio em que carimbam os nossos filhos à entrada e à saída…

Pois a ideologia destes governantes vai ao encontro daqueles que querem emburrecerem a sociedade para que estes percam a capacidade de pensar, a fim de serem mais facilmente manipuláveis…

É preciso dizer mais?

Já se esqueceram dos últimos ataques aos meninos, vossos filhos?

Despeja-los em salas, diminuir/acabar com os apoios aos mais carenciados, acabar com os apoios ao ensino especial e despejar os meninos “deficientes” dentro de uma sala com mais “vintes e…”, acabar com disciplinas que eram uma mais-valia na progressão de aprendizagem dos meninos…

É mesmo preciso dizer mais?

Não é pois não….

Agora é urgente e necessário estarmos todos na manifestação nacional dos professores que se vai realizar no próximo sábado, às 15h, com inicio no Marquês de Pombal.


Não desiludam os vossos filhos e familiares….

14 de junho de 2013

Do verdadeiro prejuízo

por Fátima Inácio Gomes, em 11.06.2013

O anúncio da greve de professores às reuniões de avaliação e a um exame nacional veio pôr a nu o país que temos. Um país de faz de conta.
Fica bem, democraticamente bem, dizer que “a greve é um direito”. Mas quando os professores anunciam uma greve (a medida mais radical de contestação, que se usa quando todas as outras se esgotaram) o democrático verniz estala. Um profissional da política (daí, um dos responsáveis pelo estado do país e das contas públicas), agora emboscado no comentário televisivo, acusa os professores de desrespeitadores e de criminosos. Ministros e deputados vociferam, diariamente, nos meios de comunicação social, incendiando a opinião pública, que educam à medida da sua manipulação.

O Governo lançou uma campanha espantosa de diabolização da greve dos professores, em particular à do exame a Português, transformando os alunos nos pobres cordeiros sacrificados à voragem do lobo mau. Como se o Governo, até à data, não tivesse feito mais do que lançar medidas que prejudicam as famílias e, muito particularmente, os jovens. Como se o Governo, até à data, na Educação, não tivesse lançado medidas com efeitos muito mais gravosos do que uma greve a um exame nacional pode causar. Mais uma vez, o Governo quer desviar o ónus da responsabilidade para os bodes expiatórios do costume… os professores. E há muita “opinião pública” que embarca neste discurso – ainda merecerá um estudo aprofundado a análise desta patologia que, recorrentemente, acomete a população sempre que os professores são assunto.

 A degradação das condições de trabalho contra a qual os professores lutam não só põe em causa a qualidade do ensino atual (não, Sr. Ministro, não é o mesmo ensinar a 15 ou a 30 alunos, por mais fabulosos que sejam os métodos e competente seja o professor) como compromete perigosamente a qualidade do ensino no futuro: quem serão os professores do futuro, quando os que se formam atualmente (ou de há dez, quinze anos para cá) são enxotados do ensino?  quem serão os professores do futuro, quando os bons estudantes são aconselhados a não seguir uma profissão que, garantidamente, não tem futuro de emprego e é cada vez mais desvalorizada  e enxovalhada na sociedade?
Gostaria que algum senhor deputado, daqueles que estão tão indignados com a greve dos professores, me respondesse, aqui mesmo, neste espaço, frontalmente, a uma questão, se é que alguma vez descem da redoma onde se refugiam e isolam das pessoas que dizem representar para falar com elas.
Responda-me, pois, honestamente (e esta questão lanço-a também a todos os pais, a todos os portugueses):  o seu filho é um bom aluno, está no 12º ano, e diz-lhe que quer ser professor de Biologia. Ou de Filosofia. Ou professor do primeiro ciclo. Ficará tranquilo com essa escolha? Achará, honestamente, que é uma boa escolha?

Tenho duas filhas, uma no 8º e outra no 10º ano. Nenhuma delas quer ser professora. Não por não reconhecerem valor à profissão (conhecem o meu trabalho e sabem reconhecer o dos seus professores), mas porque sentem que a profissão não é reconhecida. Muito menos valorizada, não só financeiramente, mas socialmente. Insurgem-se contra os comentários que veem na televisão, por exemplo, a propósito desta greve. Como se a mãe fosse a criminosa que o senhor Marques Mendes diz que ela é, por fazer greve, como se a mãe não tivesse os mesmos direitos que um varredor, um médico, um motorista, quando fazem greve. Como se a mãe fosse uma cidadã menor. E elas não querem isso para elas. E eu, apesar de gostar da minha profissão, também não quero isto para elas.

E assim, senhores deputados, senhores ministros, meus caros concidadãos, estamos a caminhar para um futuro muito mais prejudicial para muitos mais alunos do que aqueles que vão fazer agora exame. Caminhamos para um futuro sem professores. E aqueles que houver, serão os menos qualificados, incapazes de entrar num curso “melhor”. Que ensino será, então, o nosso, com esses professores? Que será, então, dos nossos alunos?

Percebem agora o perigo do caminho que se está a seguir? Quem anda, afinal, a causar verdadeiramente prejuízo aos alunos?

semelhanças...

O ministro da propaganda de Saddam Hussein diria:

"Apesar da total desvastação e destruição material do país, dos milhares de mortos que incluem centenas de crianças e idosos, apesar de grande parte dos edificios na capital se encontrarem em chamas e a guerra pender para o nosso inimigo, posso-vos assegurar que está tudo bem e não há motivos para pânico."













Apesar dos 1.500.000 desempregados, de milhares de portugueses serem obrigados a emigrar por falta de soluções no seu país;

de milhares de famílias viverem neste momento em clara agonia;

de centenas de pensionistas já não levantarem as suas receitas nas farmácias por falta de meios;

de a pobreza estar em clara expansão;

de milhares de alunos estarem a abdicar do seu direito ao saber abandonando os estudos superiores por falta de condições financeiras;

de outros milhares de crianças terem como única refeição decente aquela que fazem nas cantinas da escola, caso essa não existisse não fariam nenhuma.

Apesar de grande parte da classe média estar a ser dizimada e transformada em novos pobres;

de o número pessoas e familias que recorrem aos centros de apoio alimentar e social aumentarem todos os dias;

apesar de Portugal ser neste momento o país mais desigual da zona euro com um enorme fosso entre os mais ricos e os mais pobres:

Apesar de a contestação a esta política e este governo estar acentuadamente a subir de tom em todos os sectores da sociedade;

Cavaco Silva considera que "a coesão nacional se mantém e que não há desestruturação social no nosso país".

Mas então o que é a desestruturação social?

Talvez por isso, esta cavacal figura me traga à memória o ministro da propaganda de Saddam Hussein.

Cavaco tenta desta forma justificar o seu inequívoco apoio e concordância com as políticas seguidas por este governo, a sua incapacidade de colocar Portugal à frente dos seus interesses ideológicos e agir perante a situação mais grave que Portugal atravessa desde que existe democracia.

13 de junho de 2013

100 anos da vírgula

Sobre a Vírgula


Muito bonita a campanha dos 100 anos da ABI
(Associação Brasileira de Imprensa).

Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere..

Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.

Pode criar heróis..
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.


Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

A vírgula pode condenar ou salvar.
Não tenha clemência!
Não, tenha clemência!


Uma vírgula muda tudo.
ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.




Detalhes Adicionais:
COLOQUE UMA VÍRGULA NA SEGUINTE FRASE:


SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA. 

* Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER...
* Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM...

"Só com o Borda d' Água se compreende o raciocínio e as estratégias do governo

Lutar, resistir, por uma escola pública...

Os professores, tal como os outros trabalhadores, têm que ser solidários...

Só assim podem vencer os dementes que querem destruir o trabalho com direitos. Sim, que eles não querem destruir o trabalho, algo que sempre houve.

Já no  tempo da escravatura sempre houve muito trabalho, não existiam era direitos.
Os professores do privado não se esqueçam que andam a ser roubados dos "frutos" daquilo que produzem, pois em troca pagam-lhes o caroço...

Mas atenção, não tenham ilusões…

No dia em que retirarem, ainda, mais direitos aos professores da escola pública eles vão sentir consequências dessa retirada de direitos.

Pois estes professores terão, ainda mais, o direito a trabalhar mais por ainda menos…

É necessário lutar… é necessário lutar por uma escola pública de qualidade. No dia em que tal for alcançado podem crer que o corpo docente do ensino público crescerá drasticamente.

O que acabará é a necessidade do estado  financiar os lucros dos  donos dos colégios privados, e etc… e sobrará para todos os docentes e restantes trabalhadores da escola pública serem devidamente compensados pelo seu trabalho.


Assim como sobrará para os meninos terem direito a crescerem, aprenderem e a serem felizes de mãos dadas com todo o corpo docente e não docente, da escola pública…

Reflectindo...

Amigos, lutem pelo que é vosso... nunca invejem o que é dos outros e que foi obtido com a luta deles. O que estes dementes querem, é que desejemos que os outros nunca estejam melhores ou iguais a nós, e que consequentemente gastemos a nossa força em tentar retirar o que os outros, merecidamente, têm... em vez de gastarmos a nossa força a lutarmos pelo que merecemos justamente...

DIA 15 de JUNHO – DE NOVO UM MAR DE PROFESSORES EM MANIFESTAÇÃO

Precisamos que assim seja! Depois do enorme sucesso que está a ser esta greve às avaliações, uma excelente manifestação aumentará a pressão sobre o MEC e o governo no sentido de impedir o aumento do horário de trabalho e a aplicação da “mobilidade especial”, antecâmara do desemprego para muitos professores, incluindo os do ensino superior,  e educadores. E dará confiança para a difícil greve do próximo dia 17.

Apelo por isso não só à sua participação, mas a que dinamize a participação dos seus colegas.

Este apelo dirige-se também aos/às docentes das escolas do ensino particular e cooperativo sobre os/as quais paira a ameaça de uma revisão escabrosa do CCT.
De passagem, e a título de incentivo, convido-o (a)a ler o poema de Ana Haterley colocado na página do SPGL .

Vamos a isto com confiança e determinação.


António Avelãs



11 de junho de 2013

Professores ajudem a pagar a divida do estado…

Caríssimo Sr. Ministro Crato,

Hoje, mais do que nunca, estamos solidários com o governo do qual V. Exa. é ministro da deseducação, perdão, educação.

Por isso nesta casa, hoje, contribuímos com mais ou menos € 50,00… esperemos que utilize bem este dinheirinho.
Não fique preocupado, pois poupa-se na gasolina…

Mas não é a primeira ajuda que damos, por aqui. Para V. Exa. poupar nos livros dos meninos, nas fotocópias e etc… temos despendido do nosso “orçamento residencial” para que tal não falte aos meninos mais carenciados. A Canon e a Staples têm agradecido.

E pode contar connosco, para poupar ainda mais…

Já viu que os sindicatos e os professores estão do seu lado, para que possa poupar….

Pode contar connosco para lutar e resistir…
Greve é a nossa arma…


UM POUCO DE HISTÓRIA

Guilherme Antunes

Este prédio, bem como outros, pertenciam a um homem abastado e comerciante muito conhecido em Cascais, de seu nome Joaquim Francisco Carneiro. Após o 25 de Abril declarou-se grande amigo do PCP. De imediato, colocou todo o edifício à disposição do Partido (com excepção do rés-do-chão), o que motivou uma guerra familiar que ficou famosa em Cascais. Toda a sua família, meus vizinhos à altura, era gente anti-comunista e no caso de um genro, um apologista do fascismo acabado de derrubar.

Valente, corajoso, digno e, principalmente, o DONO de tudo aquilo, manteve a sua honrada palavra e mais tarde, havia de avançar decidido, criando condições legais para lá nos mantermos e depois como seus legítimos proprietários. Sobre a parte final da sua vida, sequestrado em casa quanto a contactos com os pérfidos enviados do demo (o PCP naturalmente), nem uma palavra. Por decoro e respeito profundo pelo senhor Carneiro não continuarei a contar o resto (que para aqui também não interessa nada).

A família e a direita do burgo, jamais engoliram o “ultraje” do gesto e a visibilidade que permite ao PCP mostrar-se numa zona ímpar de Cascais.

Chegados aqui, com esta espinha entalada na garganta, jamais, no entanto, alguém do PSD tinha tido o descaramento vil de confrontação tão ESTÚPIDA, de que veremos os eventuais resultados negativos e perigosos, que daí advirão. São previsíveis toda a espécie de provocações, “bocas às centenas” dos putos jotas, perigosidade de eventuais atentados ao património do PCP, aos automóveis dos seus militantes, etc, etc.

Ficaremos particularmente ATENTOS à eventual complacência da polícia com o parqueamento pago desta gente. Vamos perceber se a gana perseguidora anual contra o “mau” estacionamento, assim considerado por parte de uma polícia municipal que parece não ter mais nada que fazer do que andar a encher os bolsos da má gestão desta presidência não eleita. Veremos como Carlos Carreiras, o autor desumano desta caça à multa que envergonha qualquer pessoa que tenha um pingo do que, manifestamente, lhe falta, se vai posicionar para daí tirar a vantagenzinha do costume.

CLARAMENTE denuncio que será Carlos Carreiras o responsável por qualquer anomalia que possa pôr em perigo o que quer que seja, no que respeita ao direito, ainda, inalienável, embora no limite do assalto anti-constitucional laranja, da vida humana.





4 de junho de 2013

ÚLTIMA HORA - FORAM DETIDOS OS CULPADOS DA CRISE


Portugalês ou Emburralês?

“O empobrecimento agora chama-se ajustamento, aos trabalhadores agora chama-se colaboradores, o roubo aos depósitos dos cidadãos nos bancos chama-se transformação de créditos credores em acções do próprio banco, despedimento é requalificação. O sequestro da linguagem é uma coisa que me inquieta”.

Pedro Vieira
Festival Literatura em Viagem, em Matosinhos, 25/05/2013

Merceeiro de BEJA

O Manuel, alentejano de gema, dono de uma mercearia em Beja, leva a sua mulher ao ginecologista, para saber por que apareceram umas pintínhas azuis na virilha dela.

Depois de a examinar, o médico chama o Manuel e pergunta:

- O senhor pratica regularmente sexo oral com a sua mulher?

- É claro, doutôri... Ela gosta, muitíssimo, óh se gosta!


- Então nas próximas vezes, lembre-se de tirar a caneta da orelha! 

Mas afinal quem ganha e o quê?

Resolução do Conselho de Ministros nº 35/2013 de 03-06-2013

       O Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde, em funcionamento desde 2007, tem-se revelado um importante instrumento de apoio na prestação de cuidados de saúde, permitindo ampliar e melhorar a acessibilidade aos serviços de saúde e racionalizar a utilização dos recursos existentes, materiais e humanos, disciplinando a orientação de utentes no acesso aos serviços, bem como aumentar a eficácia e eficiência do sector público da saúde através do encaminhamento dos utentes para as instituições integradas no Serviço Nacional de Saúde mais adequadas.
       A Resolução do Conselho de Ministros n.º 37/2011, de 30 de agosto, autorizou a despesa e o recurso ao procedimento pré-contratual de concurso limitado por prévia qualificação, com publicação no Jornal Oficial da União Europeia, com vista à celebração de um contrato de prestação de serviços para a exploração do Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde, bem como a repartição de encargos por anos económicos, abandonando, assim, o modelo anterior sujeito ao regime das parcerias público-privadas.
       Tendo em consideração o interesse público subjacente à continuidade do funcionamento do Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde, aquela resolução do Conselho de Ministros autorizou, ainda, a prorrogação do contrato relativo ao referido centro, no montante de 9535174,00 EUR, a que acresce IVA à taxa legal em vigor, até à conclusão do procedimento pré-contratual autorizado pela mesma resolução.
       A Resolução do Conselho de Ministros n.º111-C/2012, de 28 de dezembro, autorizou a despesa inerente à prorrogação do contrato do Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde desde 1 de julho de 2012, no montante máximo de 5 610 248,00 EUR, dado que o contrato celebrado na sequência do procedimento autorizado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 37/2011, de 30 de agosto, se encontrava, ainda, pendente no Tribunal de Contas para efeitos de fiscalização prévia.
       Tendo presente que o Tribunal de Contas notificou o Ministério da Saúde do acórdão que recusou o visto ao contrato de prestação de serviços para a exploração do Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde, torna-se urgente dar início a um novo procedimento concursal e autorizar a respetiva despesa.
       A presente resolução autoriza, ainda, a realização da despesa inerente ao funcionamento do Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde até ao início da vigência do novo contrato a celebrar na sequência do procedimento concursal que agora se autoriza.
       Assim:
       Nos termos da alínea e) do n.º 1 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 197/99, de 8 de junho, do artigo 109.º do Código dos Contratos Públicos, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de janeiro, e da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:
 Autorizar, nos termos da alínea e) do n.º 1 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 197/99, de 8 de junho, a realização da despesa com a aquisição dos serviços para a exploração do Centro de Atendimento do Serviço Nacional de Saúde no montante até 13 846 837,00, EUR, a que acresce IVA à taxa legal em vigor.
Início de Vigência: 08-06-2013

Jovem esposa desesperada

- Ah, doutor, não suporto mais. Apesar de todos os meus esforços, meu marido não me dá a menor bola. Desde que nos casamos, só fala na mãe, na mãe, na mãe. É como se eu não existisse.

- Já experimentou preparar um jantar especial?


- Já! E não adiantou, disse que a comida da mãe era melhor que a minha!

- Ouça, se há um domínio onde sua sogra não pode rivalizar é na cama. Esta noite, vista um baby doll preto e calcinha preta. A cor preta é muito sexy e muito excitante. Incluindo uma cinta-liga negra também. Ele não vai resistir!

Sara seguiu o plano à risca e, de facto, nunca se vira tão sexy.


O Jàcó chega a casa, arregala os olhos e diz:

- Sarahhhhh, você está toda de preto... Aconteceu alguma coisa à minha mãe?