3 de outubro de 2009

H1N1 - Negócio do medo

Sabe que o vírus da gripe suína foi descoberto há 9 anos no Vietname?

Sabe que desde então morreram apenas 100 pessoas EM TODO O MUNDO durante estes 9 anos?

Sabe que os americanos foram os que informaram acerca da eficácia do TAMIFLU (antiviral humano) como preventivo?

Sabe que o TAMIFLU apenas alivia alguns sintomas da gripe comum?

Sabe que a sua eficácia no tratamento da gripe comum está a ser questionada por grande parte da comunidade científica?

Sabe que perante um SUPOSTO vírus mutante como o H5N1, o TAMIFLU apenas aliviará alguns sintomas?

Sabe quem comercializa o TAMIFLU? Laboratórios ROCHE.

Sabe a quem a ROCHE comprou a patente do TAMIFLU em 1996? À GILEAD SCIENCES INC.

Sabe quem era o presidente da GILEAD SCIENCES INC. e principal accionista? DONAL RAMSFELD, ex Secretário da Defesa norte americana no governo Bush.

Sabe que a principal base do TAMIFLU é o anis estrelado?

Sabe quem é que detém 90% da produção da árvore de anis estrelado?

ROCHE.

Sabe que as vendas do TAMIFLU passaram de 254 milhões em 2004 para mais de 1.000 milhões em 2005?
Sabe quantos mais milhões pode ganhar a ROCHE nos próximos meses se continuar este negócio do medo?

O resumo do negócio é o seguinte:

Os amigos de Bush decidiram que um fármaco como o TAMIFLU é a solução para uma pandemia que ainda não ocorreu e que causou 100 mortos no mundo inteiro desde há 9 anos.

Este fármaco não cura nem sequer a gripe comum.

O vírus não afecta o ser humano em condições normais.

Ramsfeld vende a patente do TAMIFLU à ROCHE e esta paga-lhe uma verdadeira fortuna.

A ROCHE adquire 90% da produção do anis estrelado que é a base do antiviral.

Os governos do mundo inteiro sentem-se ameaçados por uma pandemia e compram à ROCHE quantidades industriais deste produto.

Nós acabamos por pagar o medicamento, e, Ramsfeld, Cheney e Bush fazem um belo negócio...

ESTAMOS LOUCOS, OU SOMOS TODOS IDIOTAS?

1 comentário:

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

Plenamente de acordo: a indústria do medo está viva e recomenda-se. E não abrange só as gripes: estende-se ao terrorismo, à droga, à pequena criminalidade (mas não à de colarinho branco), aos salários demasiado altos (mas não os dos gestores), aos impostos, à falência (planeada) da segurança social, à pedofilia, aos imigrantes, à violência doméstica (cuja definição legal, nalguns países, já inclui um homem elevar a voz à mulher, mas não o contrário), etc.

Um dos motivos desta indústria é, como faz notar, o lucro. O outro é desviar a atenção das pessoas das verdadeiras ameaças, como a globalização (planeada) que põe países (cada vez menos) democráticos a competir com outros onde se fuzilam sindicalistas.